terça-feira, 13 de julho de 2010

13 de Julho: O DIA MUNDIAL DO ROCK

Desde o LIVE AID de 1985 - Festival realizado por Bob Geldof pelo fim da fome na Etiópia, realizado simultaneamente na Filadélfia (EUA) e em Londres (Inglaterra) e arrecadou cerca de 60 milhões de dólares - que o dia 13 de Julho é conhecido como o DIA MUNDIAL DO ROCK.

O rock and roll é um estilo musical nascido nas terras do Tio Sam entre o final dos anos 40 e início dos anos 50 do século passado e que tem como característica fundamental uma batida blues-boogie-woogie com um contratempo acentuado ou uma batida jump-blues, geralmente levado por um trio de guitarra, baixo e bateria. Suas origens musicais remontam ao gospel, ao folk e ao blues americanos, posteriormente pitadas de country e jazz fizeram parte dessa saborosa e irresistível receita sonora.

Popularizado de forma vertiginosa nos EUA, em especial por Elvis Presley, atravessou o atlântico e aportando nas terras da Rainha de lá espalhou-se pelo mundo, em especial pelos Beatles, influenciando a linguagem e a estética de todo o globo até os dias de hoje, pois ...

... os rockeiros passam, mas o rock and roll continua de passagem!






quinta-feira, 1 de julho de 2010

Saramago e Epicuro: aproximações

O escritor português José Saramago morreu aos 87 anos no dia 18 de Junho de 2010 em decorrência de debilidade respiratória causada pela leucemia.

Sua obra inclui dois clássicos da literatura contemporânea: "O evangelho segundo Jesus Cristo" e "Ensaio sobre a cegueira". Sua produção literária lhe valeu dois importantes prêmios: o "Prêmio Camões" (nacional) em 1995  e o "Nobel de Literatura (internacional) em 1998.

Seu estilo foi marcado pelos longos capítulos e pela pouca pontuação. Unindo a crônica com a crítica social tornou-se referência obrigatória para os amantes das letras portuguesas.

Cético tornou-se ateu, descrente tornou-se pessimista, desencantado filiou-se ao comunismo político. Algumas passagens de seu discurso são exemplares dessas opções pessoais:

Saramago Cético: "Mesmo que a rota da minha vida me conduza a uma estrela, nem por isso fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo";

Saramago Ateu: "Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro";

Saramago pessimista: "Estamos afundados na merda do mundo e não se pode ser otimista. O otimista, ou é estúpido, ou insensível ou milionário";

Saramago comunista: "A carne é fraca e os políticos são feitos de carne. No momento em que o cidadão renuncia a intervir na vida política do país, o poder real escapa-lhe das mãos".

Mas o que pouco se notou foi o Saramago aproximado de Epicuro, mais uma vez passagens dos discursos desses dois escritores pode demonstrar essa proximidade:
Epicuro: "A morte é o fim de todas as sensações, pois quando existimos, não há morte, e, quando a morte chega, não mais existimos".

Saramago: "não temo a morte, pois se sou, ela ainda não é, e quando ela for, não serei mais".

Para Epicuro de Samos (341 - 269 a.C.), a felicidade adviria de um prazer sabiamente administrado, pois aquele que mostra-se capaz de ter domínio racional sobre as emoções conquista a quietude da mente.

Saramago deixou serenamente a morte chegar, assim como deixou serenamente de ser, demonstrando assim sua verve epicurista.










Para saber mais:

http://www.livrariacultura.com.br/scripts/cultura/busca/busca.asp?palavra=saramago+biografia&tipo_pesq=titulo&sid=77813321112627384472413439&k5=36239363&uid=&limpa=0&parceiro=TIIIXE&x=29&y=10

http://www.mundodosfilosofos.com.br/epicurismo.htm