quinta-feira, 24 de julho de 2008

Alanis continua Alanis, só que um tanto quanto diferente

Em Flavors of Entanglement, seu cd inédito em quatro anos, Alanis continua sendo quem foi desde o bombástico cd de estréia Jagged Little Pill, ganhador de sete Grammys, contudo, incorpora novos elementos ao seu som, dentro os quais destacamos os arranjos eletrônicos, resultado de sua parceria com o co-produtor Guy Sigsworth (Björk, Imogen Heap).


O disco é considerado ótimo, principalmente se levarmos em conta a média da produção mundial no seguimento rock. Momentos de erupção de uma overdose de sentimentos, bem ao estilo Alanis, conquistam o ouvinte faixa à faixa.



Evidente que ela acerta a mão em algumas faixas mais do que em outras, porém, o resultado final é positivo, o que lhe garante o lugar de destaque merecidamente conquistado.



Ouça, em especial, Not As We (tão depressiva, quanto bela), Underneath (totalmente quântica) e Versions of Violence (raivosa e empolgante) e depois leve o cd pra casa para saborear em doses cavalares de máximo volume.



Garantia de diversão e prazer. Recomendo

domingo, 20 de julho de 2008

Primeira conferência Internacinonal

Os frutos desses oito longos anos de pesquisa estão sendo colhidos constantemente.

Dessa vez surge a oportunidade da primeira participação como conferencista em um evento internacional. Trata-se do esperado e badalado I FÓRUM MUNDIAL DE DIREITO MÉDICO E BIOÉTICA, a ser realizado no Mar Hotel em Recife/PE, de 30/07 a 02/08 de 2008.


Vários dos mais renomados e produtivos pesquisadores da área estarão presentes. Dentre os brasileiros teremos:


Conferência de Abertura: O direito médico e a interpretação jurisrprudencial no Brasil com Miguel Kfouri Neto


Dia 31 - 9:15h No fim da vida: uma visão bioética e política com Genival Veloso de França


Dia 31 - 14:30h Os avanços da medicina quanto à realização de tratamento médico sem sangue - Uma realidade brasileira com Romilton Viana Machado


Dia 31 - 15:00h A Responsabilidade Civil do Médico interpretada pelo STJ com Vinicius de Negreiros Calado


Dia 1º - 09:30h Dosimetria do Dano Moral nas Ações de Responsabilidade Civil com Luiz Carlos Nemetz


Dia 1º - 11:15h Células-tronco embrionárias e os direitos do nascituro com Antonio Macena de Figueiredo


Dia 1º - 14:00h Pesquisa com células-tronco embrionárias: conflito de direitos fundamentais e pós-modernismo jurídico com Elder Paes Barreto Bringel


Dia 1º - 16:00h O princípio bioético da autonomia. Diferenças entre o consentimento informado e a escolha esclarecida, como excludentes de responsabilidade civil na relação médico x paciente.
com Eduardo Dantas


Dia 02 - 09:30h A inaplicabilidade do código de defesa do consumidor na relação médico/paciente com Lívia A. Callegari


Dia 02 - 11:00h Bioética e Responsabilidade civil: cuidar do meio-ambiente é uma política pública de saúde? com Terence Trenenpohl


Dentre os estrangeiros:


Dia 31 - 08:30h Direito ao conhecimento das origens genéticas com Rafael Luís Vale e Reis (Portugal)


Dia 31 - 11:15h Reflexiones sobre bioetica y derecho com Eduardo Javier Jourdan (Argentina)


Dia 31 - 16:00h Derecho Médico en Francia: historia y perspectivas com Alain Garay (França)


Dia 1º - 08:30h O consentimento informado: perspectivas européias com Julio Cesar Galán Cortez (Espanha)


Dia 1º - 14:00h End of life decision making in the context of UK Law com Colin Gavaghan (Escócia)


Dia 1º - 14:30h Medical Malpractice in the USA. An overview com John Blum (EUA)


Nossa conferência será intitulada (bio)ÉTICA NO PLURAL: para não humanos presentes e para humanos ausentes e será ministrada no Auditório Manoel Bandeira I, no dia 02 de Agosto às 09:00h.]


Os melhores artigos serão publicados na revista da APEDIMES - Associação Pernambucana de Direito Médico, presidida pelo advogado Eduardo Dantas, Bacharel em Direito pela Faculdade do Direito do Recife, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Especialista em Direito do Consumidor pela Universidad de Castilla-La Mancha (Espanha), e Mestre em Direito Médico pela University of Glasgow (Escócia).

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Por mais espaço para a retórica na pesquisa jurídica

A linguagem funciona como uma forma (signo) que transporta conteúdo (significado) de um orador para um auditório. Pensar nessa relação implica em se aperceber de que uma técnica (retórica) deve instrumentalizar tal processo visando um fim. Tal meta está para além da mera compresensão do auditório do conteúdo da mensagem do orador, busca conquistá-lo pela confiança (ethos), pela (emoção) ou pela razoabilidade (logos), na falta de verdades evidentes. Esse é o ambiente comum do confronte de opiniões, vencer nele depende da capacidade de apresentá-las, através de argumentos e ornatos, como se fossem mais do que realmente são.

Observar, estudar, compreender e praticar a retórica é atividade que se debruça na prática, sobre os discursos de um determinado ciclo oratório. Em se tratando de discursos judiciais, as decisões têm um valor inestimável enquanto fonte de pesquisa.


Desde 2007 vimos desenvolvendo uma série de exercícios retóricos objetivando uma desestruturação argumentativa que targa a luz à estratégia e sua influência sobre a prática discursiva dos advogados, promotores e juízes, em especial.


Convidamos vocês para que observem os mesmos, avaliem cada um criticamente e emitam sugestões.


FALCÃO, Pablo R. de L. Análise retórica I: da exposição de estratégias persuasivas em discursos jurídicos textuais. Revista dos Advogados. OAB/PE. (no prelo).