sexta-feira, 16 de maio de 2008

A ciência não comprova verdades, apenas aposta em verossimilhanças

Karl Popper (1902-1994), em sua tentativa de encontrar um fundamento para a pesquisa científica, diagnosticou uma falha no método científico que, ao formular regras universais através da observação empírica de situações particulares, valia-se da "indução" para validá-las como regra.

Em outras palavras, da observação de algumas situações particulares, o cientista "aposta" na hipótese de que o que observou "deve" ocorrer em todas as demais situações não observadas.


Isso resulta na tese de que as proposições universais (regras), mais importantes cientificamente do que as situações particulares (observações), não podem ser "testadas em sentido positivo", ou seja, não se tem como saber se as mesmas são verdadeiras. Contudo, Popper propões que as mesmas sejam "testadas em sentido negativo", já que podemos saber se as mesmas são falsas. Como isso se dá?


Bem, é só constatar através da observação uma situação inusitada que desconfirme à regra universalizada pela "aposta" na indução.


Moral da história: O método científico não é garantia de verdade, já que nunca podemos, em sentido positivo, saber se uma regra universal é verdadeira; contudo, tal método pode, ao menos em sentido negativo, nos persuadir de que, se uma regra universal durar um bom tempo às tentativas de refutação pela observação, então ela conquista credibilidade de verossimilhança pela maior probabilidade de não ser falsa!


Para saber mais: ABBUD, Luiz Nelson Macedo. Prova em contrário In: Revista Discutindo Filosofia. Ano 2. n.11. São Paulo: Escala Educacional, 2008. p.32 e 33.


3 comentários:

  1. Ótimo comentário amigo!

    Tô sempre por aqui!

    abraços!

    ResponderExcluir
  2. Valeu amigo. Olhe, vc tá fazendo o maior sucesso entre os alunos, indicando seu livro nas aulas e nas orientações monográficas. Vamos marcar outra palestra, ok?

    ResponderExcluir
  3. A "verdade comprovada cientificamente" é um assunto que sempre me chamou atenção, e me pôs a pensar.
    Sua exposição sobre o assunto foi brilhante!

    ResponderExcluir