quinta-feira, 21 de junho de 2007

Refletindo em voz alta 3


"Não existe um homem capaz de contar a história inteira". A frase estava em um cântaro descoberto dois mil anos depois de escrito no complexo de cavernas de Qumram, próximo ao Mar Morto, localizado entre os estados de Israel e da Jordânia, que guardavam a produção religiosa de um mosteiro essênio desenvolvida na região durante quase 200 anos (135 a.C. - 68 d.C.). O texto adverte que nos encontramos solitariamente aprisionados em um eterno presente, desconhecendo tanto o que foi quanto o que será; toda a estabilidade parece assim escorrer junto a corrente de nossa vitalidade, tudo flui no rítmo frenético da desagregação e do reagrupamento estrutural que forma a miragem de nosso eu. Já não somos mais alguém, acabado e definido, estamos constantemente sendo e deixando de ser nós mesmos, esquecendo nosso eu momentâneo em meio a tantos outros "eus" fugazes que foram e deixaram de ser algo na fluidez perene de nossa contigência. Todas as questões que levantamos são expressas em símbolos, ferramentas incapazes de traduzir toda a complexidade de nossa angustiosa ignorância acerca do tema "eu". Deixaremos talvez de perguntar: quem sou? de onde vim? para onde vou? mas não de sentir o impulso silencioso que brota da constante negação de nossa orfandade. (baseado nas reflexões de Loran Eiseley (1907-1977) em The cosmic orphan. Enciclopédia Britânica. 15a ed.)

2 comentários:

  1. Gabriely Oliveira26 de julho de 2007 05:24

    Oi Pablinhooo...
    Vou ser bem sincera...à você eu me rendo... que texto é esse? Tow sem palavras para expressar a simplicidade e ao mesmo tempo a complexidade que existem nos seus textos! "O mais difícil não é escrever muito, mas sim dizer muito escrevendo pouco", você conhece esse ditado popular? Olha, você faz simplesmente isso, te admiro muito, espero um dia ter essa sua capacidade, que não são todos os que a possuem, são raras essas pessoas! Você além de ser raro é único!! Amutu...
    Bjos
    Gaby

    ResponderExcluir
  2. Valeu Gaby.
    Espero que essas poucas linhas possam inspirar seus estudos.
    Bjos e boas reflexões!

    ResponderExcluir