segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

A ilusão do ano novo

O país está mobilizado, é chegada a hora de um novo ano começar. Será? Observemos bem, estamos em um país de tradição cristã herdada pelo catolicismo, assim o natal representa o "suposto" nascimento de Jesus.

Trata-se de uma suposição, porque há mais de dois mil anos aquela região da Galiléia era província do Império Romano e esse povo recomeçava a contagem do tempo toda vez que um novo imperador (Cezar) chegava ao poder, o que devia causar uma confusão tamanha para à burogracia da antiguidade.

Após a queda de Roma, a Europa cristã adotou o calendário de Júlio César e no Concílio de Nicéia, em 325 D.C., determinou-se a data da Páscoa como sendo o primeiro domingo depois da primeira lua Cheia do Eqüinócio de Primavera, o que era problemático, já que a data do Eqüinócio também era incerta.

Em 24 de fevereiro de 1582 D.C., 1627 anos depois de proclamado o Calendário de Júlio César, o Papa Gregório XIII assinou a Bula que deu origem ao calendário Gregoriano, de 365 dias, 5h 48min 20s, em uso até os dias atuais. Com a adoção do Calendário Gregoriano, o Ano Novo passou oficialmente para o dia 1o. de janeiro, contudo o mesmo ainda mantém um erro em relação ao ano solar: 26,96768 segundos por ano, já que o ano tem 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46,96798 segundos, isto significa uma imprecisão que em 4909 D.C. nos levará a estaremos adiantados um dia inteiro para além dos limites de tempo de nosso calendário oficial, sendo então necessária uma nova correção.

Desta forma, não temos certeza que amanhã será ano novo, mas com respeito aos costumes, faço votos de sáude e paz para todos neste ano que "imprecisamente" se anuncia!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Gélidas melodias escocesas


Dica fonográfica: Fim de ano letivo, vontade de ficar largadaço no sofá ouvindo bons sons? Indico a melódica SNOW PATRL, seu album EYES OPEN é bem legal, lembra as boas bandas influenciadas eternamente pelo Fab4. Letras bem elaboradas, armonias que agradam de cara, uma salada de sons etéreos e pesados, está completa a receita de sucesso de todos os amantes da guitarra cool. Os caras não são ingleses, mas a Escócia pariu outra banda que vale a pena ter no player. Esse é seu quarto cd, o primeiro a pipocar nas paradas de todo o mundo, trazendo uma receita destinada ao topo das paradas (Jesus and Mary Chain (psicodelia), Echo and The Bunnnymen (arranjos sinfônicos) e Joy Division (pitadas eletrônicas). Segue a relação das músicas e a indicação para as três primeiras que levarão vocês as nuvens!


01. You're all i have

02. Hands open

03. Chasing cars

04. Shut your eyes

05. It's beginning to get to me

06. You could be happy

07. Make this go on forever

08. Set the fire to the third bar

09. Headlights on dark roads

10. Open your eyes

11. The finish line

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Primeira turma de pós-graduação latu sensu

Na mesma semana de minha titulação como mestre pelo PPGD/UFPE, recebi e aceitei o convite da Sapere Aude - Formação e Qualificação de Excelência, para figurar no quadro de professores de seu curso de pós-graduação em Tutela Judicial do Meio Ambiente.

Vinculado à FASNE - Faculdade Salesiana do Nordeste, o curso conta com grandes nomes do direito em nossa região, como a atual colega de docência e coordenadora adjunta da ASCES - Faculdade de Direito de Caruaru, a Profª. MSC pelo PPGD/UFPE, Clarissa Marques.

No quadro geral de docentes destacamos as presenças dos professores doutores, Fabíola Albuquerque, Larissa Leal, Alexandre Da Maia, Cláudio Brandão e Bruno Galindo (PPGD/UFPE), Liana Lins (UFPE), Ernani Carvalho (USP), Alfredo Rangel (PPGD/UFPB) e Walber Agra (ASCES/FADICA), além da professora mestra, Catarina Oliveira (ASCES/FADICA e UNICAP).

Estamos ministrando a disciplina de Biodireito, dividida em dois módulos: Biotecnologia e Biopirataria: implicações jurídico-filosóficas, prevista para dezembro de 2007 e janeiro de 2008.

A direção foi muito atenciosa e a turma muito interessada e dedicada, o que ajuda na construção de um sucesso anunciado.

Agradeço a todos da SAPERE AUDE / FASNE pela oportunidade e confiança.

Ouse você também!

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Até que em fim, MESTRE!!!!!!!!!!!!!!!!!

Nem acredito que os longos anos de espera chegaram a termo, neste inesquecível 10/12/2007, por volta das 15:00h, escutei do Prof. Dr. Eduardo Rabenhorst (UFPB) a frase mais agradável aos meus ouvidos nestes trinta e cinco anos de vida, dos quais, doze dedicados ao Direito: APROVADO COM DISTINÇÃO.
Sob a presidência do Prof. Dr. João Maurício Adeodato (UFPE) e tendo como avaliador interno o Prof. Dr. Alexandre Da Maia, confirmei minhas antigas impressões: estou entre as melhores mentes jurídicas deste país, pois toda oportunidade de diálogo com eles é sempre um momento de aprendizado.
O parecer carinhoso do querido orientador e amigo, Prof. Dr. Torquato Castro Jr. deu-me forças para enfrentar a dura jornada que levava ao tão esperado título.
A presença de amigos e familiares tornaram este momento inesquecível.
Mais uma prova que a dedicação aos estudos vale sempre a pena!

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Smashing Pumpkins is back!



Nem acreditei quando escutei, o carequinha mandou ver, o cd é bom pacas. Não mentiu nem um pouco quando disse, no tempo do Zwan, que seu coração ainda era do SP. Mesmo com nova formação o cd é 10, o som ainda é poderoso e denso. Ainda aprendo essa sonoridade que funciona como uma brisa nas partes lentas e como um ventania nas partes rápidas e um trovão nas partes pesadas. O primeiro single, "Tarantula", é disparada a melhor canção do disco, com seu riff sujo e sua letra direta e esperta. Ainda não disponível no Brasil. Continuo fã!

Participação no XVI CONPEDI em BH 2007 - 3


Reencontrando amigos: Simultaneamente ao CONPEDI ocorria o IBDFAM, reunindo os maiores civilistas do país, entre eles meus padrinhos, Dr. Paulo Lôbo e Dra. Fabíola Albuquerque, minhas queridas amigas, Catarina Oliveira, Taciana Beltrão e Adriana Rocha e meu chefe e amigo, Dr. Paulo Muniz. Pena que uma parte da turma já estava de saída e outra não quiz conhecer o underground mineiro conosco, olha eu em frente ao famoso e charmoso "A OBRA", um porão que apresenta o melhor da cena alternativa do país, vale a pena conferir!

Participação no XVI CONPEDI em BH 2007 - 2


Trabalho realizado: hora de rever amigos, fazer contatos e relaxar. Aqui estamos, Da Maia (PPGD/UFPE), Eduardo Bittar (PPGD/USP) e eu, na praça do BAR DA DALVA em BH. Tirei direto do Congresso para cá, ainda estava com metade da "fantasia" de jurista! kkkkkk Os dois são feras e muito gente boa, merecem todo o sucesso que fazem. Enjoy the night, friends!
Depois chegou o João Maurício, encontrando a mim, o Fernando Joaquim e o Adrualdo Catão com uma turma super gente fina de Curitiba.
Terminei achando mais nossa cara o pessoal do Paraná, pois os de Sampa e Belô parecem muito mais concervadores em suas pesquisas.
Trocamos e-mails, cópias dos trabalhos apresentados e espero ir em breve a UFPR, tenho esperança de encontrar boas oportunidades acadêmicas por lá!

Participação no XVI CONPEDI em BH 2007 - 01


Foi um sucesso: eu, Fernando Joaquim (mestrandos), Adrualdo Catão e Graziela Bacchi (doutorandos) representamos com resultado muito positivo o núcleo discente do PPGD/UFPE.
João Maurício e Da Maia palestraram no segundo dia, o "ex-gordutchu" falou de minha dissertação durante sua fala, o que me deixou muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito feliz! kkkkk
Raymundo Juliano passou o cargo de presidente do CONPEDI em grande estilo, deixando saudades em todos e uma participação record de 718 trabalhos inscritos.
Isso prova que estamos entre os melhores do país e não devemos supervalorizar as dificuldades de nossa região. Querer é poder, isso ficou claro em Minas Gerais! Parabéns para todos!

segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Entre quantidade e qualidade: o que queremos?


Caruaru ao inaugurar seu novo fórum, inaugura também sua nova justiça? Observemos o teor de notícias veiculadas sobre alguns de seus aspectos quantitativos[1]:

a) orçamentais - a moderna sede de seu judiciário custou aproximadamente R$ 10,5 milhões;

b) espaciais – a área construída tem 14 mil metros quadrados e seu estacionamento tem capacidade para comportar 118 veículos;

c) ambientais – a construção foi agregada às regras de sustentabilidade, usando materiais que não agridem ao meio ambiente;

d) estruturais – o prédio comporta 16 varas judiciais e sua sala do júri tem capacidade para 277 presentes;

e) funcionais – a estrutura contém dois elevadores, sistemas de prevenção e combate a incêndio, gerador elétrico e sistema de segurança.

Segundo um dos membros do TJPE, “Caruaru é um pólo industrial rico e próspero, e já se fazia carente de um fórum à altura da sua grandeza”, esta cidade “cresce e a Justiça acompanha o município”[2].

Nenhum dos meios de comunicação veiculou nada sobre os aspectos qualitativos da construção. Terá sido por esquecimento, por tratar-se de tema secundário ou por inexistência mesmo destes? Só a temporalidade parece poder responder tal questionamento. Resta-nos dar tempo ao tempo para podermos saber se o novo fórum será ou não acompanhado de uma nova justiça, esta, sem dúvida, UMA QUESTÃO QUALITATIVA!

[1] Disponível em: . Acesso em: 12/11/2007.
[2] Disponível em: . Acesso em: 12/11/2007.

domingo, 4 de novembro de 2007

Pensando em voz alta 4



Observando o mundo, parece-nos que ele é inteiro mais potência do que ato. É como se o projeto fosse, em possibilidades, infinito, e, apenas algumas vezes, uma parca obra fosse materializada. Oh, bloco de mármore que demonstra não libertar de suas entranhas a bela "Venus de Milo" que toca nossos primitivos sentidos! Estaremos condenados à abstração de toda a beleza que ocultas? Teremos de sempre usar o escolpe e o martelo, verter suor e sangue, para que, só assim, possamos ter uma amostra mínima de tudo o que verdadeiramente tens? Eis nossa humana limitação: para poder ver o mínimo, esforçamo-nos ao máximo e frustamo-nos por concretizar apenas toscas cópias e nunca o supremo original!

Dica musical: Beirut


Fala, turminha! Demorou, mas voltamos com as dicas musivais. A colaboração é de minha parceira de sala de aula na ASCES/FADICA, Ingryd. O nome da banda é BEIRUT, o som é bem "anti-comercial", o que já lhes confere pontos positivos. Os clips são bem "alternativos" e adorei o timbre do vocalista, bem distante das modulações atualmente utilizadas. O instrumental (sopros, violino, acordeon, violão, baixo acústico e bateria jazz) é bem "barroco", o que confere, ao mesmo tempo, um ar "retro" e "in", estranho, mas cativante. Em NANTES, ambientada em uma descida de escada, apresenta-se bem a temática perseguida por essa garotada.

Para quem gostou e gostaria de conferir mais segue o recheio do mais recente cd, intitulado de The Flying Club Cup:

1. A Call To Arms

2. Nantes

3. A Sunday Smile

4. Guyamas Sonora

5. Le Banlieu

6. Cliquot

7. The Penalty

8. Forks and Knives (La Fete)

9. In The Mausoleum

10. Un Dernier Verre (Pour la Route)

11. Cherbourg

12. St. Apollonia

13. The Flying Club Cup

Rechei-e seu mp3 player e bons momentos!

Valeu, amiga!

sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Lugar de dizer adeus: refletindo sobre forma e conteúdo


O "lugar de dizer adeus" deixou de estar localizado no âmbito privado e com o tempo publicizou-se. Refiro-me a ele posto que, neste último dia 19 de outubro, uma grande amiga teve de pronunciar essa dolorosa frase para sua mãe.

Como costumo comparecer a tais locais de despedida para dividir meu pesar (conteúdo) com os parentes presentes e saio rapidamente das proximidades do esquife, tenho tempo de parar para orar e meditar um pouco.

Assim fiz, sentado à sombra de uma àrvore nativa do agreste pernambucano, pequena e com poucas folhas, contudo, bastante acolhedora.

Observei o local e sua estrutura (forma): terreno plano e descampado, lápides rasteiras, polidas e decoradas, dispostas para não poluírem a paisagem, ruas e lotes, todos planejados para facilitar a localização, toda a área verde natural substituída por brita e outras pedrarias, área de visitação ampla, arejada, pintada com tons pasteis, assessoria completa de serviço funerário com departamento de transporte, decoração e marketing a postos.

Pensei com meus botões: será que a publicização ocorreu no sentido de substituir a primeira privatização (familiar) por outra (comercial)? Sentado em meio aquele silêncio notei muito mais procupação com a "forma" do que com o "conteúdo", este último, restrito ao íntimo de cada um daqueles que estavam lá para unicamente dizer adeus, parecia, contudo, diminuído em importância e em número, mas, felizmente, era só aparência!

É amigos, tudo mesmo tende a virar combustível para o circo do capital.

Beijos, Ju!

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

ÍntimoEncontroEmEspaçoPúblicoPrivatizado


Todo instinto nega-se a render-se às rédeas da razão e no momento em que surge tende a privatizar o que é público, como se a nau do tempo lançasse âncora em uma praça qualquer e o seu espaço verde e agre ganhasse paredes, portas e chaves, como se todos os olhos fitassem horizontes além de nós, como se a invizibilidade nos cobrisse a ambos e nada mais importasse além do seu, do meu, do nosso sentir! Amotelhetbmeuzamô!

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Palestra na Escola Superior de Advocacia em Pernambuco


Nesta segunda feira, 17/09, tivemos a honra de ministar o mini-curso na Escola Ruy Antunes (OAB/PE), sob o tema:


DEBATE JURISDICIONAL BRASILEIRO EM TORNO DA ANENCEFALIA FETAL


A platéia era seleta, formadas por estudantes e pesquisadores da graduação e da pós, além de representantes da Biomedicina pernambucana e da academia jurídica estadual, as Dras. Catarina Oliveira (ASCES/UNICAP/OAB), Adriana Rocha (UNICAP/ESMAPE), Tarciana Beltrão (ASCES/PPGD/UFPE) e o Msc. Venceslau Tavares (ASCES/UFPE/Escola Ruy Antunes), nos brindaram com suas pertinentes e abalizadas avaliações críticas.


No decorre das três horas de sua duração, tornamos público o resultado de nossa análise retórico-argumentativa no debate jurisdicional pátrio, travado em nossa Corte Constitucional, acerca da temática desta deformidade fetal de natureza grave. Pontuamos pela isostenia discursiva e pela necessária revisão de nosso arsenal dogmático sob a égide de um paradigma contemporâneo, que nomeamos de complexidade, em oposição ao moderno, denominado de paradigma da simplicidade. Toda a investigação foi realizada no Mestrado em Teoria Geral e Filosofia do Direito da UFPE e encontra-se em fase de exame de qualificação para a obtenção do título de mestre nos próximos meses deste ano.


Todos os presentes participaram e podemos demonstrar como a retórica pode ter um papel central como antídoto quanto à discursos arbitrários e anacrônicos, servindo também de instrumento de análise da qualidade democrática do discurso forense.


Agradecimentos especiais aos docentes e amigos citados acima, bem como aos professores e alunos do PPGD/UFPE da linha de pesquisa intitulada de retórica e decisão jurídica.
Informamos que convites da OAB, Subseccional Caruaru/PE, bem como da Graduação da UFPE e da UNICAP foram feitos e estão para terem suas datas confirmadas, demonstrando a pertinência do estudo realizado.


"Em um mundo onde não vislumbramos a verdade, resta-nos a verossimilhança, a persuasão e a esperança no consenso".

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Os universos (im)possíveis de Escher


Mauritius Cornelius Escher (1898-1972) deixou essa dimensão existencial quando nela eu adentrei, talvez por isso a continuidade de seu interesse plástico esteja em mim por esses já 35 anos de estada na matéria.


Este holandês trocou a Arquitetura pelas Artes Plásticas, e nestas desenvolveu uma técnica de reprodução de cópias múltiplas, utilizando-se de pedra, madeira e metal como repositório de suas inspirações.


Nos anos trinta (1935) residiu em Granada, onde os arabescos geométricos do Castelo de Alhambra colonizaram por completo seu olhar e seu senso estético. Tais memórias foram logo assimiladas ao já existente conhecimento matemático, produzindo um estilo peculiar de retratar as mesmas, condensado na seguinte frase: "a vida só pode ser percebida pelos contrastes".


Tal expressão artística foi retratada pela Psicologia da Gestalt como sendo "a lei da figura-fundo", onde o contraste de luz e sombra, concretrizado em gravuras como síntese e antítese, levou a consciência a focar as figuras iguais em primeiro plano, enviando as figuras contrárias ao plano segundo (subliminar), dando vida assim a um caleidoscópio que vai do imaginário possível ao impossível, gerando desta forma um turbilhão mental de ilusões de óticas que interprenetam variadas versões de mundo, que em seu conjunto põem em cheque as leis físicas de sua época.


Usando o racionalismo ao seu favor, questiona-o, introduzindo no interior do logicamente possível paradoxos ocultos na forma de enígmas oculares. Em suma, este artista era um "escritor" peculiar que criava com tinta textos perceptíveis à visão, ou seja, produzia "gritantemente!" um discurso "silensioso" esclusivo para olhos bem abertos.


Apreciemos ou escutemos sua obra? A resposta pouco importa, quando o que interessa aqui é sentí-la!

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Lista bibliográfica para estudantes de Filosofia do Direito


O estudo dos fundamentos últimos do ordenamento jurídico é objeto de estudo da Filosofia do Direito. Esta não é uma disciplina autônoma, mas apenas um olhar da Filosofia Geral sobre um objeto em particular. Pensando em uma introdução às discussões filosóficas acerca do Direito, formulamos a lista bibliográfica abaixo. Boas leituras e meditações!

01. Filosofia do Direito - João Maurício Adeodato - Saraiva;

02. Filosofia do Direito - Nelson Saldanha - Renovar;

03. Filosofia do Direito - Miguel Reale - Saraiva;

04. Filosofia do Direito - Wayne Morrison - Martins Fontes;

05. A idéia de Justiça de Platão a Rawls - Sebastião Maffettone e Salvatore Veca (orgs.) - Martins Fontes;

06. Os grande filósofos do Direito - Clarence Morris (org.) - Martins Fontes;

07. Convite à filosofia - Marilena Chauí - Ática;

08. Aprendendo à filosofar em 25 lições: do poço de Tales à desconstrução de Derridá - Nicholas Fearn - Jorge Zahar.

terça-feira, 17 de julho de 2007

O lado sombrio da globalização


Dica cinéfila: Quando vi a Jennifer Lopez na capa deste filme passei os olhos rapidamente para o próximo título do espositor. Para minha sorte, porém, na falta de algum título mais chamativo, voltei ao "Cidade do Silêncio" (Bordertown) e resolvi ler a sinopse. Para mi nha surpresa, a cantora tinha atuado, além de atriz, como produtora na película, sendo premiada pela Anistia Internacional. Nesse momento, pensei: "nossa, como foi preconceituosa minha atitude". Levei o dvd pra casa e assisti, resultado, adorei o filme. Já havia tomado conhecimento de quanto os EUA exploram a mão de obra mechicana através do NAFTA (Acordo de Livre Comércio da América do Norte) firmado entre os dois países e o Canadá, compondo um mercado de aproximadamente 380 milhões de habitantes e respondendo por um PIB de 7 bilhões de dólares. Não é preciso dizer quem está em desvantagem e como o tratamento é não isonômico por parte dos privilegiados. O roteiro explora o lado sombrio da globalização e fornece um bom material para reflexão. Pegue a pipoca e guaraná e bons questionamentos!

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Lista bibliográfica para estudantes do Direito


Depois de várias solicitações de alunos sobre obras básicas para o estudo do direito, decidi enumerar alguns títulos introdutórios às temáticas do debate jurídico atual no âmbito da pós-graduação para alunos do curso de bacharelado. O rol não está completo, como não poderia deixar de ser, contudo orientará bem os passos do neófito nas letras jurídicas. Bons estudos!


01. Formação do pensamento jurídico moderno - Michell Villey

02. Teoria Pura do Direito - Hans Kelsen

03. Teoria do ordenamento jurídico - Norberto Bobbio

04. Teoria da norma jurídica - Norberto Bobbio

05. Introdução ao estudo do direito - Tércio Sampaio Ferraz Jr

06. Ciência do direito - Tércio Sampaio Ferraz Jr

07. Função social da dogmática jurídica - Tércio Sampaio Ferraz Jr

08. Teoria Tridimensional - Miguel Reale

09. Tópica e Jurisprudência - Theodor Viehweg

10. Nova retórica - Chaim Perelman

11. Ética e retórica - João Maurício Adeodato

12. Filosofia do direito - João Maurício Adeodato

13. Problemas de filosofia do direito - Richard A. Posner

domingo, 1 de julho de 2007

The Verve is back!


Isso mesmo, a magnífica banda inglesa liderada (pelo anoréxico, porém brilhante) Richard Ashcroft está de volta com cd e turnê novos e marcados para fins de 2007. Nick McCabe (guitarras), Simon Jones (baixo) e Pete Salisbury (bateria) estão no barco, ausência só a do tecladista Simon Tong que toca atualmente com o ex-Blur e ex-Gorillas Dalmon Albarn no The good, The Bad and The Queen. Sobra vontade mas falta grana para conferir a turminha reunida no Reino Unido, mas fazer o que? Segue a agenda confirmada para os bons de bolso e gosto:

Friday 2nd Nov: Glasgow Academy

Saturday 3rd Nov: Glasgow Academy

Monday 5th Nov: Blackpool Empress Ballroom

Tuesday 6th Nov: Blackpool Empress Ballroom

Thursday 8th Nov: London Roundhouse

Friday 9th Nov: London Roundhouse

segunda-feira, 25 de junho de 2007

A arte marginal de Shiko

Quando vi esses traços, pirei! Shiko é um artista plático paraibano especial, é só observar os detalhes da pintura ao lado para entender o que estou dizendo. O lance começa com a sacada dos armários, seguidas das referências de música, pintura e literatura, estampadas nos livros propositalmente colocados nos ninchos. Adorei os temas orientais, nas personagens, nas máscaras e nos peixes "voadores" que concederam um ar bem lisérgico à tela. O cara é 10, espero conhecê-lo quando estiver em terras paraibanas. Olhem o resto da obra: http://www.flickr.com/photos/derbyblue/page4/

quinta-feira, 21 de junho de 2007

Nazismo e Modernidade?


Dica cinéfila: A série The Nazis: um alerta da história, produzida pela BBC está nas bancas em três dvd's com dois episódios cada: dvd 1: Rumo ao poder / Caos e consentimento; dvd 2: A guerra equivocada / Leste turbulento (ambos já disponíveis) e dvd 3 (ainda no prelo). A pesquisa demonstra que por trás de uma capa de ordem tipicamente moderna reinava o caos provocado pela crença mística em uma raça superior destinada ao poder absoluto sobre todos as outras espécies. Ótimo momento para aqueles "juristas" que ainda acusam Kelsen de ser partidário do nazi-facismo de observarem o quanto este movimento era assentado em bases pré-modernas. Corra, compre, assista e reflita!

Refletindo em voz alta 3


"Não existe um homem capaz de contar a história inteira". A frase estava em um cântaro descoberto dois mil anos depois de escrito no complexo de cavernas de Qumram, próximo ao Mar Morto, localizado entre os estados de Israel e da Jordânia, que guardavam a produção religiosa de um mosteiro essênio desenvolvida na região durante quase 200 anos (135 a.C. - 68 d.C.). O texto adverte que nos encontramos solitariamente aprisionados em um eterno presente, desconhecendo tanto o que foi quanto o que será; toda a estabilidade parece assim escorrer junto a corrente de nossa vitalidade, tudo flui no rítmo frenético da desagregação e do reagrupamento estrutural que forma a miragem de nosso eu. Já não somos mais alguém, acabado e definido, estamos constantemente sendo e deixando de ser nós mesmos, esquecendo nosso eu momentâneo em meio a tantos outros "eus" fugazes que foram e deixaram de ser algo na fluidez perene de nossa contigência. Todas as questões que levantamos são expressas em símbolos, ferramentas incapazes de traduzir toda a complexidade de nossa angustiosa ignorância acerca do tema "eu". Deixaremos talvez de perguntar: quem sou? de onde vim? para onde vou? mas não de sentir o impulso silencioso que brota da constante negação de nossa orfandade. (baseado nas reflexões de Loran Eiseley (1907-1977) em The cosmic orphan. Enciclopédia Britânica. 15a ed.)

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Professor alemão palestra na UFPE




Na noite do último dia 06 de junho, na Faculdade de Direito do Recife/UFPE, o professor alemão Stéphan Kirste proferiu palestra sobre o tema: Direito como memória cultural. Presidindo a mesa e fazendo as vezes de tradutor, o Professor João Maurício Adeodato (PPGD/UFPE) saudou a todos os presentes informando a importância do momento frente as dificuldades financeiras das Universidades públicas brasileiras. Compunham a mesa os professores: Torquato Castro Jr, Alexandre da Maia e George Brawne, todos do PPGD/UFPE). Kirste demonstra em sua teoria uma ligação forte com a Teoria Sistêmica de Luhmann, bem como um forte matiz formal, bem ao gosto da produção alemã, o que de forma alguma tornou menos brilhante sua exposição. Destacamos a presença de 17 alunos dos primeiros e segundos períodos do Curso de Direito da ASCES/Faculdade de Direito de Caruaru que demonstraram grande interesse pelo intercâmbio acadêmico Brasil/Alemanha, o que deverá gerar bons frutos em forma de pesquisa jurídica no interior do Estado. Na foto, da esquerda para a direita, os professores: Alexandre da Maia, Torquato Castro Jr, Stéphan kirste, Pablo Falcão, João Maurício Adeodato com os alunos da ASCES.

quinta-feira, 7 de junho de 2007


Dica fonográfica: Gravação do DVD da banda caruaruense SANGUE DE BARRO. Dia 09 de junho de 2007, às 21:00h, no Baco's Recepções (estacionamento do Shopping Caruaru). Igressos: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (estudante). Vendas no local e antecipada na Banca Terceiro Mundo (centro, Caruaru/PE). Imperdível pois meu irmãozinho Ivan Márcio (Letras, vocais, guitarras, programações, encenações e um monte de outras doideiras) vai quebrar tudo !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

sábado, 2 de junho de 2007

Refletindo em voz alta 2


O caminhar é sempre formado por passos individuais. Deixemos então as lágrimas refrescarem a pele e umidecerem a estrada que deixamos, pouco a pouco, para trás. A história aparentemente é circular, sendo assim os caminhantes que encontramos e seguiram suas rotas voltarão a fazer parte de nosso horizonte particular, mais cedo ou mais tarde. Construamos um sorriso verdadeiro para responder às asperezas que nos presentearam quando nos desencontramos pela primeira vez. Deixemos as animalidade de lado e sejamos humanos!

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Refletindo em voz alta 1


Somos humanos, apesar de perfectíveis! Muitas vezes nos sentimos especiais e angariamos assim forças para enfrentarmos tudo o que há de externo em nós, contudo, fraquejamos diante da necessária viagem aos labirintos e porões de nós mesmos. Para observadores distantes podemos parecer perfeitos demais, mas para aqueles próximos, nossas imperfeições borram qualquer maquilagem. Só que, tanto nós quanto eles, sofremos e fazemos sofrer! No que somos diferentes? No que somos iguais? Somos então humanos ou animais?

Boas vibrações sonoras


Dica fonográfica: "Enquanto o sol brilhar" é o novo recado sonoro da banda Catedral. Trata-se do priméiro registro fonográfico sem a presença física ou conceitual do guitarrista Cézar (morto em um acidente automobilístico em 2003). Kim, Júlio e Guilherme mostraram que "nada mudou", há apenas evolução! Essa banda mata um pouco a saudade da "Legião Urbana", pelo timbre de voz e pelo lirismo das composições. Mesmo que não admitam, as contratações do tecladista e produtor Carlos Trilha (Renato Russo Solo) e do guitarrista Fred Nascimento (banda de apoio da Legião Urbana) falam por si. Ouça no volume máximo!


1. Enquanto o Sol Brilhar
2. Estrelas do Amanhã
3. Não Tenho Medo
4. Um E-Mail
5. O Botão do Elevador
6. O que Vamos Fazer?
7. Amar Você
8. Falaming Star
9. Sampa a Dois
10. Viva o Povo Brasileiro
11. Pão e Circo
12. Amnésia
13. Templo
14. Meu Amor Primeiro

Posner: Filosofia, Direito e Pragmática

Dica literária: Qual a relação entre direito e política? Tradicionalmente recebemos duas respostas: 1) metafísica: o Direito é mais amplo que a política e pode fornecer uma resposta correta para as mais difíceis questões; 2) niilista: a Política contém o Direito e todas as respostas fornecidas por este são sempre arbitrárias. O jurista americano Richard A. Posner renega as duas e defende uma resposta pragmática: a qualidade de cada resposta jurídica é dimensionada pelo exame das consequências de sua aplicação. Uma ótima leitura para as férias!

Sapatos novos em caminhos percorridos


Dica cinéfila. Um adolescente amargurado por uma educação conservadora. Uma excêntrica e veterana atriz de cinema e teatro. Um encontro que possibilitará novas vivências e interpretações para ambos. Divirtam-se!

domingo, 20 de maio de 2007

Afeto, criminalidade e gênero


Dica literária. Elaine Pimentel Costa, alagoana graduada em Direito pela UFAL, mestre e doutoranda em Sociologia pela UFPE, é referência certa nos debates envolvendo afetividade, criminalidade e gênero. Esta obra é fruto de sua dissertação, observa e analisa como as teias afetivas levam mulheres, que não se consideram criminosas, a serem rotuladas com o estigma normativo de traficantes. Sua escrita é literária, sem prejuízo às exigências formais da academia, proporcionando uma leitura agradável. Amparada em vasta bibliografia, é porta de entrada para o melhor do discurso sociológico atual. O lançamento pernambucano ocorrerá em 23 de maio, às 16:00h, na ASCES/Faculdade de Direito de Caruaru. Após a palestra da autora, seguir-se-á a sessão de autógrafos. Imperdível!

Sobre miopia e STF


Uma pessoa míope consegue ver objetos próximos com nitidez, mas os objectos distantes são visualizados como se estivessem desfocados. Essa parece ser a postura do Supremo Tribunal Federal quando anunciou uma futura audiência pública para debater a proposta dos autores da ADPF n. 54/2004: possibilidade de antecipação terapêutica do parto em caso de diagnóstico positivo de deformidade fetal grave. Por isso a referência à miopia: o objeto analisado, o fenômeno vital humano, se lhes apresenta sem nitidez, pois está distante da estrutura macroscópica com a qual é lido, tanto pelo discurso pró-escolha, quanto pelo discurso pró-vida, defensores de um ponto final para o debate. Buscamos não tormar partido, mas apenas analisar os argumentos de ambas as propostas, apontando suas limitações. Concluímos pela necessidade de discutir o tema sob outro prisma, intedisciplinar e contextualizado, sem grandes pretensões e sem miopias, sob a égide do princípio da precaução, frente às temáticas biotecnológicas como esta. Ver FALCÃO, Pablo R. de L. Anencefalia e Direito no Brasil contemporâneo: uma análise retórica. in: Maceió: Revista de Estudos Sócio-Jurídicos da SEUNE/ Sociedade de Ensino Universitário do Nordeste. n. 4. jan/jun. 2007. No prelo. Previsão de lançamento: Agosto de 2007.

Boventura e o fado de pentecostes


A obra do professor luzitano Boaventura de Souza Santos é a inspiração para o título deste blog, ela também intitula um artigo jurídico desenvolvido por nós no Mestrado em Direito do PPGD/UFPE em 2007, com o qual batizamos essa postagem. Os pontos principais de suas reflexões são: o contexto de dupla influência paradigmática (modernidade e pós-modernidade), a superação da dicotomia epistemológica moderna (senso esclarecido apartado do senso comum) com o conseqüente renivelamento do discurso e a tomada de consciência dos limites da racionalidade moderna. Participar de discursos diversos, eis o desafio lançado pelo fado do professor português. A foto acima foi tirada na UFPB/Faculdade de Direito da Paraíba em 2006, celebrando o lançamento da obra "A gramática do tempo: para uma nova cultura política", após a assinatura do compromisso para o ingresso do autor no corpo editorial da Revista Eletrônica da ASCES/Faculdade de Direito de Caruaru/PE, ele autografou os exemplares de meu acervo pessoal. Um sonho realizado!

Clarisse Lispector e a primazia do não-entender


Dica poética. Indicação do meu ex-aluno Danilo Mergulhão: "Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo." Reflita-mos!

O mentor da Escola Retórica do Recife/PE



Um título merecido. A obra de João Maurício Adeodato marca o estado atual da pesquisa no PPGD/UFPE e lança interrogações sobre certas certezas anacrônicas ainda presentes no discurso jurídico periférico. À frente do grupo de estudos intitulado "história da retórica das idéias no Brasil", o pesquisador vem demonstrando como é possível desenvolver reflexões próprias e contextualizadas acerca do agir jurídico na contemporaneidade. A foto acima foi tirada durante o Congresso da ASCES/Faculdade de Direito de Caruaru em 2006 que o teve como homenageado. Ver o seu "Ética e Retórica", editora Saraiva. Leitura obrigatória!

Anjos da vida


Dica cinéfila. O roteiro mostra como um exemplo pode valer mais que mil palavras. Kevin Costner (Bem Randall) é o único sobrevivente de um acidente fatal causado por uma tempestade. Depois do acidente ele é enviado para ensinar, contra sua vontade, na Escola de Elite o programa de treinamento que transforma jovens recrutas nos melhores e mais corajosos nadadores de resgate. O professor modifica todo o programa de treinamento com seus métodos de treinamento mais'reias que teóricos, pois trás a consciência de que, um dia, seus alunos terão que tomar a difícil decisão entre quem vai viver e quem vai morrer. Diversão garantida!

Bossa 'n Marley



Dica fonográfica: de minha aluna Monise Carvalho. As re-leituras das músicas do poeta jamaicano ganharam ares contemporâneos com as batidas eletrônicas e a ambientação mantrica do estilo Lounge. Trilha sonora perfeita para escutar bem acompanhado em uma banheira cercada de velas aromáticas. Good vabrations!
1. Redemption Song
2. No Woman no Cry
3. Buffalo Soldier
4. I Shot the Sheriff
5. Stir it up
6. Sun is Shining
7. Positive Vibration
8. Is This Love
9. Get Up Stand Up
10. One Love
11. Could You Be Loved
12. Waiting in Vain

Regras para o parque humano


Dica literária do pensador inquieto da Escola do Recife, Alexandre da Maia. A obra de Peter Sloterdijk é uma resposta à carta de Heidegger sobre o humanismo. O escritor medita acerca de um mundo onde deuses (metafísica) e pensadores (filosofia) abandonaram seus postos, deixando uma sociedade orfã, composta por individualidades que perderam quase totalmente sua capacidade de aderência ao outro. Tudo o que lhes sobra são indagações escritas que nos foram remetidas do passado; estas carentes de potencialidades de comunicação, já que os hodiernos não se põem mais como destinatários das mesmas. Seu silêncio resulta não da leitura destes textos, mas de sua postura de indiferença com seus signos mudos. Leitura obrigatória.

Nota aos navegantes

Este veículo foi criado para reflexões. Seu combustível? nossas dúvidas, inquietações e visões de mundo. Estamos cientes de que produziremos mais interrogações do que pontos finais, contudo, isto nos angustia bem menos que a inércia do pensamento daqueles que são mais carne do que espírito. Ao menos para atender a esta seleção, o meio virtual nos serve perfeitamente: trata-se de uma ambiente averso à toda materialidade! Sendo assim, sejam bem vindos todos aqueles que transcenderem tal limitação!